IX Cinema Mostra Aids
Realização:
Apresentação
Filmes
Programação
Expediente
Biblioteca de Filmes
Mostras Anteriores
Home / 2008 - Filmes
2008 - Filmes
A VIAGEM
(The Trip, EUA, 2002, 94 min)
Direção: Miles Swain.
Exibido da IV Cinema Mostra Aids (2008).

Alan (Larry Sullivan), um jornalista recém-formado e conservador, encontra Tommy (Steve Braun), ativista dos direitos dos homossexuais. A princípio, a aproximação é justificada pela intenção do primeiro, que escreve um livro sobre gays. Mas rapidamente a relação se transforma em um romance que tem início em 1973 e atravessa os anos 80. O diretor Miles Swain mostra o painel de mudanças da liberdade sexual e o surgimento das primeiras mortes pelo vírus HIV.

 

O TOQUE DO TAMBOR
(Beat the Drum, África do Sul-EUA, 2003, 114 min)
Direção: David Hickson.
Exibido da IV Cinema Mostra Aids (2008).

Num vilarejo pobre da África do Sul, uma estranha doença está dizimando os habitantes, que encaram o problema como maldição e tentam combatê-lo com feitiçaria. Orfão de mãe, o garoto Musa (Junior Singo) vê o pai agonizar no leito e decide partir para Joanesburgo, a maior cidade do país, a procura do tio. O caminhoneiro e pai de família que dá carona ao garoto tem o hábito de fazer sexo com prostitutas e recusa-se a usar camisinha tanto com elas como com a mulher. Seu patrão, representante do clã branco na história, começa a testemunhar a tragédia da doença ao ver seus funcionários com sintomas desconhecidos. Mas o cenário mais desolador está nas ruas. Musa conhecerá moradores miseráveis de perto. Com a experiência, ele tentará avisar seus conterrâneos da verdadeira razão das mortes locais.

 

CICLOS DA VIDA - A história da aids no Malaui
(Lifecycles: a Story of AIDS in Malawi, Malawi, 2003, 52 min)
Direção: Sierra Bellows e Doug Karr.
Exibido da IV Cinema Mostra Aids (2008).

A rigor, não há muitas diferenças na epidemia de aids que assola as nações africanas, mas a dupla de diretores Sierra Bellows e Doug Karr toca em pontos essenciais nem sempre explorados. Ao percorrer durante oito meses o Malaui, onde morrem duzentas pessoas por dia infectadas pelo HIV, os realizadores lembram questões culturais e religiosas. Há o fato, por exemplo, de um homem ter várias esposas e não raro infectar todas, tragédia que se estende aos filhos. Outra preocupação das entidades de combate à doença está na tradição do povo de procurar um curandeiro antes mesmo de um hospital e acreditar na cura da doença. Médicos, líderes governamentais e religiosos, ativistas e vítimas do HIV dão seu depoimento com a música de Bobby McFerrin ao fundo.

 

CINCO HERÓIS
(5 Heroes of Aids in Africa, EUA/Africa, 2004, 60 min)
Direção: Neil Halloran.
Exibido da IV Cinema Mostra Aids (2008).

Neil Halloran, estudante de mídia digital na Universidade da Pensilvânia, dedicou-se ao documentário entre 2002 e 2004, depois de uma viagem de cinco meses à África. Seus heróis na batalha contra a proliferação do vírus HIV são pessoas comuns, alguns profissionais da área de saúde, outros voluntários, mas todos engajados em projetos alternativos à política pública. O jovem Mandla e a dona de casa Makazi estão a frente de projetos em bairros miseráveis da Cidade do Cabo, o pediatra Paul Roux trata de recém-nascidos soropositivos num grande hospital. Adelaide e o pai mantêm um projeto de conscientização e prevenção da aids.

 

CRÔNICA DE UMA CATÁSTROFE ANUNCIADA
(Chronique d'une Catastrophe Annoncée, EUA/ França, 2001, 52 min)
Direção: Philip Brooks.
Exibido da IV Cinema Mostra Aids (2008).

A epidemia da aids ameaça a humanidade, em especial o continente africano, mesmo depois de mais de 20 anos de existência da doença. Este documentário investiga quais as razões de indivíduos, instituições e governos não conseguirem combatê-la. Ao buscar na África e em outros pontos do mundo aqueles que se engajam na luta pela vida, o filme obriga um olhar mais próximo das realidades políticas, algumas vezes cínicas. Resta uma interrogação sobre a capacidade coletiva de crer num mundo igualitário e solidário.

 

DEPOIS DAQUELE ENCONTRO
(Phir Milenge, Índia, 2004, 145 min)
Direção: Revathi Menon.
Exibido da IV Cinema Mostra Aids (2008).

É o primeiro título, lançado no país, que aborda a questão da aids. A presença de estrelas locais no elenco chamou a atenção e ajudou a popularizar o projeto, apoiado e elogiado pelo UNAIDS (Programa das Nações Unidas sobre HIV/Aids). Na primeira parte, a jovem e bem-sucedida publicitária Tamanna (Shilpa Shetty) reencontra um antigo amor e descobre que está infectada pelo HIV. Demitida, acredita que o dono da empresa a afastou devido à doença. Parte, então, para o tribunal. Temas como a transmissão do vírus, autoestima, discriminação e direitos humanos podem não ser novidades para o Ocidente, mas apontam indícios do pouco esclarecimento sobre a doença entre essa populosa nação.

 

XPRESS
(Brasil, 2007, 45 min)
Direção: Mauro Dahmer.
Exibido da IV Cinema Mostra Aids (2008).

O diretor Mauro Dahmer faz um desdobramento de seu documentário anterior, Sexpress Yourself. Mantêm base em três países (Brasil, Jamaica e México), onde a produção colhe depoimentos de jovens sobre temas como violência, drogas, prevenção sexual e, neste filme, também política e desigualdade. O rapper MV Bill assume papel de destaque e conduz o espectador a uma visita às favelas cariocas Cidade de Deus e Complexo do Alemão.

 

JEANNE E O RAPAZ DOS SONHOS
(Jeanne et le Garçon Formidable, França, 1998, 98 min)
Direção: Olivier Ducastel e Jacques Martineau
Exibido da IV Cinema Mostra Aids (2008).

Um musical híbrido, que mistura drama romântico e ativismo. A fórmula de intercalar canções aos diálogos remete ao clássico do cinema cantado Os Guarda-Chuvas do Amor (1964), do francês Jacques Demy. O filho do cineasta, Mathieu Demy, interpreta o jovem Olivier, ex-viciado em heroína e portador do vírus HIV. Depois de um encontro casual no metrô, Jeanne (Virginie Ledoyen), garota de muitos amores, apaixona-se pelo rapaz. Mas o relacionamento entra em crise quando a doença de Olivier progride. O filme mostra manifestações públicas dos ativistas do Act Up, organização de combate à doença, num momento em que a política governamental era precária e ainda eram mais limitadas as chance de sobrevivência para os infectados.

 

O EVENTO
(The Event, EUA, 2003, 110 min)
Direção: Thom Fitzgerald.
Exibido da IV Cinema Mostra Aids (2008).

Infectado pelo vírus HIV em 2000, Matt (Don Mckeller) decide abreviar seu sofrimento e opta pelo suicídio. Os amigos mais próximos oferecem a ele uma festa de despedida e em seguida assistem a sua morte. Passam, assim, a ser cúmplices do ato final e suspeitos para uma promotora de Manhattan, Nick (Parker Posey), que investiga o caso. A suspeita maior recai sobre Brian (Brent Carver), melhor amigo de Matt e diretor de uma instituição de ajuda a soropositivos. Mas a investigadora também confronta familiares de Matt, como as irmãs e sua mãe (Olympia Dukakis).

 

UMA SEMANA
(One Week, EUA, 2001, 97 min)
Direção: Carl Seaton.
Exibido da IV Cinema Mostra Aids (2008).

Filme independente americano com elenco negro reafirma a necessidade de falar diretamente à comunidade sobre prevenção e a possível convivência com a aids. Os atores principais estão envolvidos também na produção e no roteiro. Num bairro de Chicago, Varon (Kenny Young) e Kyia (Saadiqa Muhammad) estão a uma semana do casamento quando ele fica sabendo que seu nome aparece numa lista de prováveis infectados pelo vírus HIV. Seu melhor amigo recebe a mesma notícia de uma agente de saúde e convence Varon a procurar pela garota que provavelmente os infectou. Enquanto aguarda pelo resultado final do exame de HIV, o noivo vive o dilema de contar ou não o drama à futura esposa.

 

PRINCESAS
(Espanha, 2005, 113 min)
Direção: Fernando Leon de Aranoa.
Exibido da IV Cinema Mostra Aids (2008) e na V Cinema Mostra Aids (2009).

Caye (Candela Peña, de Tudo Sobre Minha Mãe) é uma prostituta de classe média de Madri que esconde da família sua real ocupação. Zulema (Micaela Nevaréz) é uma imigrante dominicana que deixou a mãe e o filho em Santo Domingo para ganhar a vida ilegalmente na Espanha. As duas desenvolvem ao longo da trama uma amizade baseada na cumplicidade e no desejo de realizar seus sonhos. São personalidades distintas: enquanto Zulema é mais realista, Caye é uma sonhadora, que espera ter um trabalho fixo e um marido perfeito. A aids, a violência e o machismo estão presentes nesta trama.

 

JUNTOS PELA VIDA
(Life Support, EUA, 2007, 88 min)
Direção: Nelson George.
Exibido da IV Cinema Mostra Aids (2008).

A presença da estrela negra Queen Latifah incrementa essa produção baseada numa história real e com fôlego dramático. Ela interpreta Ana, ex-viciada em drogas e soropositiva que se tornou uma ativista no alerta da aids pelas ruas do Brooklyn. Ana tenta equilibrar uma delicada equação entre a nova família, formada por seu segundo marido, a caçula, e a pós- adolescente Kelly, filha do primeiro casamento, que cresceu com a avó depois que a mãe perdeu a guarda. As três mulheres vivem às turras até que a necessidade de ajudar um amigo de Kelly, um jovem com HIV abandonado à própria sorte, serve de pretexto para um possível acerto de contas.

 

SEM GARANTIA DE VALIDADE
(No Magic Bullet, Inglaterra, 2007, 58 min)
Direção: Jaime Sylla.
Exibido da IV Cinema Mostra Aids (2008).

A aids na Inglaterra, país pouco representado na cinematografia sobre o assunto. Profissionais de saúde, educadores, acadêmicos, especialistas da medicina e pessoas que vivem com HIV oferecem um parâmetro da situação da doença e debatem o aumento da infecção entre gays, o efeito da internet na prática sexual e a eficiência da educação sexual no contexto inglês. O filme acompanha ainda um jovem que fará o teste de HIV pela primeira vez. Sexo seguro e o significado de viver na dependência do coquetel de drogas também fazem parte da trama.

 

SENSAÇÕES - A HISTÓRIA DA AIDS NA ARGENTINA
(Sensaciones - Historia del Sida en la Argentina, Argentina, 2006, 80 min)
Direção: Hernán Aguilar.
Exibido da IV Cinema Mostra Aids (2008).

Em um formato que une cenas ficcionais e depoimentos de especialistas, autoridades do governo e soropositivos, o filme acompanha os avanços conquistados num lento e penoso processo na Argentina. Conta, entre outras passagens, a luta de um jornalista infectado para montar um hospital dedicado apenas aos portadores de HIV, que hoje leva seu nome, e luta pela lei federal que garante assistência aos doentes.

 

SEXPRESS YOURSELF
(EUA, 2006, 60 min)
Direção: Mauro Dahmer.
Exibido da IV Cinema Mostra Aids (2008).

O documentário reúne três adolescentes - um brasileiro, um mexicano e um jamaicano - e suas opiniões sobre sexo, drogas, rock, machismo, homofobia, hipocrisia e prevenção do vírus HIV. Participam da produção o escritor Eduardo Bueno, os jornalistas André Fischer e Madela Bada, o coreógrafo jamaicano Conroy Wilson e o fotógrafo mexicano Gonzalo Morales. O registro foi produzido pela MTV brasileira em parceria com a MTV latino-americana e sua versão baseada no Caribe, a Tempo, com apoio da Unicef e da Fundação Staying Alive.

 

TUDO CONTRA LEO
(Tout Contre Léo, EUA, 2004, 97 min)
Direção: Christophe Honoré.
Exibido da IV Cinema Mostra Aids (2008).

O cenário é uma pequena cidade no litoral da Bretanha, região onde o cineasta nasceu e lar perfeito para um casal e seus quatro filhos. Leo (Pierre Mignard) é o mais velho. Aos 21 anos e gay, anuncia à mesa que é soropositivo. Abalada, a família se une para apoiar Leo. O caçula de 12 anos Marcel (o ótimo Yannis Lespert) é poupado da notícia pelos pais e irmãos, mas escuta tudo atrás da porta. A partir daí, a trama se desenrola por meio dos olhos do garoto, não só em relação às possíveis consequências dramáticas da doença, mas também às experiências típicas da idade de um pré-adolescente. A boa trilha sonora inclui o cantor Lloyd Cole e músicas de Alex Beaupain, parceiro habitual de Honoré.

 

TRÊS IRMÃOS DE SANGUE
(EUA, 2005, 104 min)
Direção: Angela Reiniger.
Exibido da IV Cinema Mostra Aids (2008).

Os três irmãos de sangue a que se refere o título do documentário são os mineiros Betinho, Henfil e Chico Mário. Hemofílicos, foram infectados pelo vírus HIV por meio da transfusão de sangue e morreram de complicações da aids. O trio tornou-se um símbolo da luta contra a doença no Brasil e o fato do país hoje ser visto como referência mundial no combate à epidemia tem muito a ver com o pioneirismo de ativistas como eles.

 

UMA CASA NO FIM DO MUNDO
(A Home at the End of the World, EUA, 2004, 97 min)
Direção: Michael Mayer.
Exibido da IV Cinema Mostra Aids (2008).

O roteiro é do escritor Michael Cunningham (As Horas), baseado em seu livro homônimo de 1990. O filme mostra a vida do jovem Bobby Morrow (Farrell), que na adolescência testemunhou a morte de seus pais e do irmão mais velho em momentos diferentes e foi criado pela família do melhor amigo, Jonathan (Roberts). Quando este, desprendido e gay, decide mudar-se da tranquila Cleveland para Nova York, Bobby o segue e a dupla logo torna-se um trio com a experiente e nada convencional Clare (Robin Wright Penn). Morando juntos, eles passam a dividir problemas, visões diferentes da vida, e eventualmente a cama, num período de transformação e novos desafios trazidos pelos anos 1980.

 

UNIDOS PELO SANGUE
(3 Needles, Canadá, 2005, 127 min)
Direção: Thom Fitzgerald.
Exibido da IV Cinema Mostra Aids (2008).

O filme mostra como a transmissão do HIV mantém sua evolução sob a sombra da ignorância, pobreza, preconceito e herança cultural a partir de três histórias de países diferentes. Shawn Ashmore interpreta um ator pornô canadense soropositivo, que para continuar na carreira falsifica seus exames de HIV. Na China, uma suposta agente do governo (Lucy Liu) colhe sangue de moradores de vilarejos pobres em troca de algum dinheiro e vende a coleta no mercado negro. Quando uma família fica doente, sua ação é investigada. Por fim, três freiras cuidam de infectados pelo vírus na África. O foco principal é a personagem de Chlöe Sevigny e o sacrifício de sua castidade para garantir as provisões necessárias para os doentes.

 

NÓS SOMOS PAPAIS
(We Are Dad, EUA, 2005, 68 min)
Direção: Michel Horvat.
Exibido da IV Cinema Mostra Aids (2008).

O universo das crianças que vivem com HIV une-se neste documentário ao tema controverso da adoção por homossexuais. Os personagens são Roger, Steven e os cinco bebês infectados pelo HIV, que o casal acolheu em diferentes momentos e cria há 17 anos. Ex-enfermeiros da ala de pediatria de um hospital em Miami, eles acompanharam o drama desses recém-nascidos abandonados e deram-lhes um lar, enfrentando não só o preconceito de sua opção sexual e da aids, mas também racial. A batalha maior, no entanto, não é a exigente rotina pelo conforto e saúde das crianças, mas a que se dá na esfera legal, já que o estado da Flórida não reconhece o direito de adoção aos gays. Na tentativa de dar andamento a um novo processo na justiça americana, a família muda-se para o estado do Oregon.

 

AFETADO - O PROJETO AIDS
(Affected: The Aids Project, EUA, 2006, 30 min)
Direção: Gianni-Amber North.
Exibido da IV Cinema Mostra Aids (2008).

Nunca custa repetir as regrinhas básicas de prevenção, como faz esse curta-metragem assumidamente ativista, lançando mão de uma história recorrente. Akilah (Winnie Young) e Shaun (Theodore Perkins) namoram há quatro meses sem terem feito sexo. Ela enfim abre o jogo e pede ao nervoso e confuso namorado que faça seu primeiro teste de HIV. Ele se recusa, acredita que não teve relacionamentos suficientes para ter corrido risco etc. A jovem não quer arriscar tudo só na camisinha. O conflito é armado, enquanto Akilah apoia um amigo soropositivo e Shaun recebe algumas lições de um amigo que trabalha numa clínica médica.

 

ALTO RISCO
(Alto Riesgo, Espanha, 2007, 10 min)
Direção: Nahuel Losada.
Exibido da IV Cinema Mostra Aids (2008).

Ao mesmo tempo em que confronta seus medos e dúvidas com o anúncio de um novo e resistente vírus da aids, um jovem apaixona-se pelo homem que pode ser o paciente zero da ameaça. Ele encara, então, uma viagem onírica ao coração do desconhecido e à própria incapacidade de amar.

 

CERTAS COISAS
(Brasil, 2006, 19 min)
Direção: Claudio Maneja Jr.

Para fugir de sua dor e da solidão, Felipe cria um mundo particular onde consegue diferenciar as pessoas, com aspereza e poesia, por meio de lentes de estranhos óculos. Nesse curta-metragem, o preconceito, o medo de ficar só e a difícil tarefa de recomeçar são os desafios que o protagonista tem de enfrentar.

 

  CIRANDA
(Brasil, 2007, 3 min)
Direção: Rafaela Dias
Exibido da IV Cinema Mostra Aids (2008).

Uma menina de dez anos altera o cotidiano de dez pessoas, que passam a ter suas vidas interligadas por histórias em torno da aids.

 

OVO
(Alemanha, 2005-2006, 17 min)
Direção: Michael Brynntrup.
Exibido da IV Cinema Mostra Aids (2008).

Christoph Josten, ou Ovo Maltine, morreu em 8 de fevereiro de 2005, em Berlim, onze semanas depois de ser diagnosticado com um câncer linfático. A lendária drag queen sobreviveu ao vírus HIV por treze anos. Dedicou-se a causas, como a ajuda a gays vítimas de todo tipo de agressão, a legalização da maconha, o reconhecimento da prostituição como profissão, a visibilidade dos transgêneros, a eventos em benefício a pessoas que vivem com HIV e a entidades como Act Up.

 

LUCKY
(França/África do Sul/Inglaterra, 2005, 20 min)
Direção: Avie Luthra.
Exibido da IV Cinema Mostra Aids (2008).

Lucky é um garoto órfão sul-africano que vive com HIV e sonha em sair de seu vilarejo de etnia zulu para Durban, uma das grandes cidades do país. Enquanto isso, ele aprende muito sobre a vida ao ter um inesperado encontro com uma vizinha indiana. Além do tema da aids, o filme também aborda o delicado universo de convivência entre o povo sul-africano e os imigrantes de origem hindu com seu rigoroso sistema de castas.

 

BABY, BABY
(França, 2005, 3min37s e Alemanha, 2005-2006, 17 min)
Direção: Erik Vervroegen.
Exibido da IV Cinema Mostra Aids (2008).

Sucesso na Internet, o filme animado produzido pela ONG francesa AIDES, para incentivar o uso de preservativo, traz roteiro lúdico e criativo, e é uma peça rara de prevenção dirigida a mulheres jovens, população cada vez mais exposta ao risco de infecção pelo HIV em todo o mundo.

 


<< Voltar

IX Cinema Mostra Aids
de 26 a 28 de novembro de 2013 no Cine Olido / de 27 de novembro a 1º de dezembro no Centro Cultural São Paulo